AGORA \ Crítica Teatral
A TRAGÉDIA LATINO-AMERICANA
Renato Mendonça, em São Paulo, 13/03/2016
Felipe Hirsch estreia espetáculo que combina humor, música e textos literários para expor mazelas da América Latina
Cenário criado por Daniela Thomas e Felipe Tassara se assemelha a um gigantesco quebra-cabeça de isopor. Foto de Caio Nigro

A guerra do discurso

Se há algo em que a América Latina esbanja são tragédias. Só escolher: submissão cultural aos grandes centros, condenação a abastecer o Primeiro Mundo com commodities, malfeitos do poder público, desigualdades sociais que só encontram comparação no potencial do continente, corrupção em escala industrial (ou, melhor, escala das grandes empreiteiras). No espetáculo A Tragédia Latino-Americana, Felipe Hirsch até denuncia essas mazelas, mas evita platitudes – afirma com muito som e humor, e alguma fúria, que o poder está em quem detém a narrativa, nas mais diversas instâncias.

No início das quatro horas de espetáculo, Hirsch mostra os dentes: seus 11 atores – brasileiros, chilenos e argentinos – encarnam estrelas de uma tal boate Tropicana, e misturam inglês e português para avisar “It’s show time”. E identificam na plateia convidados ilustres como Borba Gato, Maluf, Getúlio e Garrastazu. Mas o panfleto termina aí.

O cenário de Daniela Thomas e Felipe Tassara é composto de grandes blocos de isopor, que se erguem ou pavimentam o palco, numa ameaça constante de ruína, num eterno construir-se e destruir-se. Os fragmentos de isopor que se desprendem depositam-se sobre o palco e evocam a célebre cena do filme Bye Bye Brasil (1979) – parece que neva na América Latina que ocupa o palco do Sesc Consolação.

Hirsch avança em sua proposta de Puzzle (2013), quando partia de textos literários para construir seu texto dramático. Agora, vale-se de Glauco Mattoso (Brasil), Leo Maslíah (Uruguai), Cabrera Infante (Cuba) e Roberto Bolano (Chile), entre outros, para alertar: a narrativa é política, é a chave para um ansiado improvement da Boate Tropicana… Na primeira história, uma menina evangélica incorpora o discurso do namorado e se divide sem culpa entre Iemanjá e a Bíblia. Em outro, a primeira narrativa do Brasil, autoria de Pero Vaz de Caminha, é reescrita para os dias atuais, mas parece que não se passaram mais de 500 anos e seguimos colônia, somente com mais modelos de carros.

Três cenas se destacam. A primeira, em que os atores se revezam no microfone para contar a trajetória de Marilene, começando por seu estupro, depois o aborto, depois o filicídio, a prisão e a morte. Impossível conhecê-la de fato sem multiplicar os narradores, sem levar em conta toda a narrativa de sua vida. A segunda cena mostra um editor ditando uma carta em francês, que é traduzida em tempo real em português e em espanhol, aconselhando um escritor latino a não se emancipar – ele que pinte sua aldeia, como sugeriu Tolstoi, mas usando o pincel da metrópole. Na cena em que um namorado convence a companheira a se prostituir para que ela finalmente atinja um orgasmo, é o homem tentando dominar 100% do discurso erótico da mulher.

Na passagem mais risível, Guilherme Weber encarna um produtor de TV que recruta um cego para estrelar sua atração. A ideia é que este visite lugares exóticos usando camisetas provocadoras. Por exemplo, “100% branco” em um ambiente de negros, “100% agronegócio” num acampamento do MST… Weber rola pelo chão, em gozo pela antecipação do Ibope, imaginando camisetas estampando “100% heterossexual”, “100% Gloria Pires”… Esse é o Brasil que rosna, canta e é feliz: sem nuanças, sem meios-tons, 100% radicalizado.

A montagem pega na veia aberta da América Latina: discurso político não é apenas a fanfarronice de parlamentares e mandatários. Político é todo o discurso, e mais político ainda seu uso, quando distorcido, truncado, fabulado, aparelhado. Para deixar isso claro, até uma epígrafe ganha vida e sobe ao palco para pontuar um conflito que todos sabemos, mas evitamos pensar: derrotada a tirania dos injustos, quem nos livrará da tirania dos justos?

A música segue um dos principais elementos das montagens de Hirsch, com Arthur de Faria na direção musical e arranjos. A cena final de A Tragédia Latino-Americana se inicia com a desesperançada canção Agua Podrida, de Leo Maslíah, quando finalmente todos se unem para, com muito esforço, organizar e empilhar dezenas de blocos sobre o palco, vendo em seguida seu trabalho desmoronar. De novo. Muita água podre vai rolar sob a ponte latino-americana antes de termos posse de nossa narrativa. Talvez por isso, o grand finale é encaminhado com uma brilhante paródia da sentimentaloide Sabor a Mi. A letra de Maslíah não ambiciona pouco: um dia, essa gente bronzeada latino-americana será finalmente “gentil, e não servil”.­­­