AGORA \ Crítica Teatral
MOSCAS
Renato Mendonça (RS), em Porto Alegre, 23/09/2016
Comédia dirigida pela gaúcha Gabriela Poester usa como palco boate no centro de Porto Alegre
André Varela (E) no papel do gerente de RH que motiva a clientela da agência Primata Digital. Foto de Claudio Etges

Eu sou a “Moscas” que pintou pra lhe abusar

Em maio deste ano, durante o Festival Palco Giratório, em Porto Alegre, Moscas espalhou-se pelos amplos aposentos da Casa Frasca, um casarão do início do século 20. Durante o 23° Porto Alegre Em Cena, o palco são os dois andares modernosos da casa noturna Cabaret, no centro histórico da Capital. Muda o local, mas as moscas continuam as mesmas: é um espetáculo despretensioso, mas atrevido, de acabamento deliberadamente tosco, animado por uma contagiante energia juvenil. Uma montagem que expõe as qualidades e as limitações características do trabalho de um grupo de artistas que, em sua maioria, iniciam carreira.

Moscas tem o objetivo claro de despir reis, rainhas e súditos envolvidos em vários ritos sociais: nascimento, baile de debutantes, festa de Natal em família, casamento, bingo, baile de solteiros, leilão e enterro. O elenco é formado por 10 atores, com uma média de seis personagens para cada um. A ideia é que o público se insinue entre os personagens, como moscas impertinentes e atentas com acesso privilegiado ao cerne desses rituais.

O resultado final confirma que Moscas foi criado a partir de improvisações desenvolvidas pelo elenco, o que garante diversidade de situações e de personagens, interpretações que valorizam o talento cômico próprio de cada ator, mas que por outro lado dificulta um encadeamento dramático das cenas e às vezes pode reforçar alguns maneirismos de interpretação.

O fato de os espectadores seguirem por várias salas, revezando os companheiros em torno de si, acomodando-se de diferentes maneiras, colocando-se alternadamente mais perto ou mais longe dos focos de cena, a princípio reforça a fragmentação, mas afinal estabelece uma sensação de intimidade que predispõe a plateia a participar sem maiores problemas, por exemplo, de uma dança coletiva e de uma sessão de ginástica laboral.

Copinhos de cachaça são oferecidos ao público, enquanto uma compenetrada governanta orienta a circulação. A ordem é rasgar a fantasia. Especialmente na temporada da Casa Frasca, mas também no Cabaret, é possível aos espectadores observarem os bastidores nos intervalos das cenas. Os figurinos improvisados, a inexistência de um “palco”, as atuações caricatas, o humor fundado em cacos com referências compartilhadas entre atores e plateia (o que me faz lembrar imediatamente da Funerária Cunha, cenário do último quadro), tudo concorre para um caos criativo e uma experiência convivencial.

Duas cenas se destacam. Ao chegar ao salão onde será realizado o leilão, os convidados (nós, público) tem colado à testa um post it com o nome de uma personalidade famosa na mídia. Quem recebe o adesivo não tem noção de qual seja “seu nome”, mas os outros sabem, e a interação que se estabelece durante o leilão acaba dando pistas e gerando situações muito engraçadas. O tal leilão é demolidor: o sorteio de uma obra “maravilhooosa” de Romero Britto agita as tantas celebridades e subcelebridades, numa catarse coletiva e irreverente. A reunião de integração de grupo na agência de publicidade Primata Digital (!) é outro grande momento, expondo a agressividade e a humilhação das relações profissionais de uma corporação.

As condições em que surgiu Moscas, como finalização prática de graduação dos cursos de Madalenna Leandra e Gabriela Poester no Departamento de Arte Dramática da UFRGS, explica a irregularidade da montagem. Caberia à diretora, Gabriela Poester (vencedora de um Açoriano de Melhor Atriz em 2014) descartar cenas que não rendem, mesmo que estas abriguem bons personagens. O início da peça na sala de espera de um hospital ou a situação dentro do salão de bingo são exemplos de momentos abaixo do restante de Moscas. Outras passagens, potencialmente ótimas, às vezes saem prejudicadas pela inexistência de um texto que dê segurança para os atores improvisarem – caso da quadrilha no baile de solteiros.

O local também pode definir o sucesso ou não de algumas cenas. Na Casa Frasca, o enfrentamento entre dois grupos durante o casamento “gitano” se desenvolvia em uma grande sala, com uma coreografia agressiva e debochada, que poderia ser comparada ao que seria o clipe de Bad caso dirigido pelo Cigano Igor. No Cabaret, montada em um quase corredor, perdeu impacto.

Mas Moscas nos serve uma sopa de entusiasmo, entrega e desobrigação com padrões de acabamento que é mais que bem-vinda. Em que pese a irregularidade de algumas cenas, põe à mesa um humor ácido e direto. Moscas é descendente direta daquela que Raul Seixas cantava: “Eu sou a mosca que pintou pra lhe abusar”.

 

Foto: Luiz Paulot